Carta Mensal #8 | US$ 174 milhões para startups brasileiras

Seu resumo mensal de análises, gráficos e temas que marcaram o mês de agosto no ecossistema de inovação, realizado em parceria com a Catarina Capital.


O que você vai ver nesse material:

  • Dados do mês: Valuation de startups em patamares elevados; Startups brasileiras captam US$ 174 milhões em agosto

  • Índices e ações: Big techs sentem o efeito dos juros; Empresas de tecnologia da B3 experimentam alta; Ethereum sente o efeito "The Merge"

  • Análise by Catarina Capital: Comentário do gestor sobre macroeconomia global e nacional

  • Principais notícias: Novidades da Apple; iFood é adquirido por gigante holandês em negócio bilionário

  • Recomendação: "Report ESG 2022"; Review "Blockchain e Tokenização"


📈 Dados do mês


📊 Valuation de startups em patamares elevados

Conforme a pesquisa Tech Valuations Q2’22 Report, feita pela CB Insights, se compararmos os dados referentes ao segundo trimestre de 2022 com os períodos anteriores, podemos concluir que o valuation das empresas de tecnologia permanece elevado.


Primeiro, cabe destacar que o ano passado foi um "ponto fora da curva" para o capital de risco, mas houve uma reversão de cenário em 2022 em meio às incertezas macroeconômicas, e os investidores estão cada vez mais cautelosos e exigentes. Para saber mais sobre isso, confira nosso artigo sobre as circunstâncias que levaram ao "boom" visto em 2021. Go deeper.


Como efeito, o valuation (mediana) das empresas de tecnologia caiu no período — exceto rodadas seed, anjo e série D. Apesar disso, se olharmos em retrospectiva, o valuation (mediana) das startups de tecnologia ainda está consideravelmente elevado, se compararmos com os números registrados nos anos de 2019 e 2020. O destaque fica por conta das rodadas early-stage (seed e anjo), que continua em alta.


A partir desses dados, concluímos que se trata de um "copo meio cheio". E por quê? Apesar da reversão do cenário visto em 2021, entendemos que o mercado é cíclico e que a tendência estrutural se mantém. Empresas de tecnologia nunca representaram uma parcela tão significativa dos mercados de ações quanto hoje.


💰 Capital de risco nacional está com tudo!

Segundo o relatório Rota dos Investimentos em Startups 2022, feito pela Jupter e Anjos&VCs, apesar do contexto desafiador, temos um ecossistema de investidores muito bem capitalizado para os estágios iniciais do ciclo de investimentos no Brasil como jamais tivemos antes.


Conforme dados da pesquisa, há cerca de R$ 18 bilhões de capital disponível para investir em empreendedorismo inovador no Brasil. E as startups que estão em estágios iniciais (early stage) são as principais beneficiadas.

#entenda: dry powder ("pó seco", em português) se refere ao capital comprometido disponível que ainda não foi alocado.


💵 Startups brasileiras captam US$ 174 milhões em agosto

Conforme dados da pesquisa Inside Venture Capital, feito pela Distrito em parceria com a Bexs Banco, as startups brasileiras atraíram US$ 174 milhões em investimentos, distribuídos em 43 rodadas.


Na comparação anual, o volume é 80% menor — foram registrados US$ 880 milhões em 77 rodadas em agosto de 2021. Cabe destacar que, desde o início da série histórica em 2013, o maior volume levantado pelas startups ocorreu no ano passado. Ou seja, temos como referência o tal "ponto fora da curva".


Entre janeiro e agosto, os aportes totalizaram US$ 3,6 bilhões, queda de 45% em relação ao mesmo período do ano passado. Gustavo Gierun, CEO e co-fundador da Distrito, pontua também que a evolução dos investimentos é notável: os oito primeiros meses de 2022 já superam o total do ano de 2020, por exemplo.


No que se refere aos aportes por setor, as fintechs e healthtechs lideraram as cifras do período, com US$ 97 milhões e US$ 47 milhões, respectivamente. Entre os principais aportes do mês de agosto, estão:


Já conferiu o Projeto Venture, que conta a história do empreendedorismo digital no Brasil?

Clique aqui e conheça a história de grandes nomes do mercado!
 

📈 Índices e ações


📊 Big techs sentem o efeito dos juros; empresas de tecnologia da B3 experimentam alta

Os mercados foram favorecidos pela temporada de divulgação de balanços entre o fim do mês de julho e início de agosto. Algumas empresas de tecnologia, como Apple e Tesla, trouxeram números acima do esperado no segundo trimestre. Porém, a partir da segunda quinzena, podemos notar uma queda dessa tendência em meio aos rumores de que os juros permanecerão em alta por mais tempo.


De volta às terras brasileiras, a taxa básica de juros (Selic) está em 13,75%, e a renda fixa tem sido um porto seguro para boa parte dos investidores. Espera-se que o contexto atual perdure por mais alguns trimestres antes de uma queda gradual nos juros.


Como a Bolsa antecipa os movimentos, é possível que gestores montem posições mais concretas em ações logo após a eleição, aproveitando valuations descontados após a pandemia e a escalada dos juros ao redor do mundo, que minaram principalmente papéis de tecnologia.


*Observação: o Inter migrou para Nasdaq em junho de 2022 e suas ações passaram a ser negociadas com o ticker INTR. Para os investidores, as ações (BIDI11, BIDI3, BIDI4) foram convertidas nas BDRs com o ticker INTR31. Aqui, registramos apenas sua performance na bolsa americana.



🟠 Tempos difíceis para o universo cripto; Ethereum sente o efeito "The Merge"

O início de agosto parecia trazer bons ventos para as criptomoedas, mas o cenário não se sustentou a partir da segunda quinzena. Ao fim do mês, a capitalização de mercado ficou em patamar inferior a US$ 1 trilhão em meio à baixa do dois principais ativos, o Bitcoin (BTC) e o Ethereum (ETH).


A criptomoeda mais valiosa da atualidade, o BTC, segue em trajetória de queda em meio às incertezas macro e já acumula baixa de 60% desde o início do ano. Em relação ao ETH, teve um desempenho melhor apesar do temor do mercado em relação ao "The Merge", que deve acontecer em setembro. A iniciativa consiste em uma migração do modelo Proof-of-Work (PoW) para Proof-of-Stake (PoS).


#entenda: a principal diferença entre os dois modelos é a forma de validar as transações. A validação no modelo PoW é feita através de mineração, enquanto no PoS é feita por validadores selecionados — por exemplo, usuários que têm uma quantidade mínima de criptomoeda.



🔎Análise by Catarina Capital






📊 Macro Global

🟠 Estados Unidos seguem com a trajetória de aumento dos juros

Jerome Powell, presidente do Fed, disse que o banco central americano continua engajado em conter a inflação. Ainda, acrescentou que a mudança de rota na política de combate à inflação não é um processo dinâmico, o que sugere baixa probabilidade de alterações repentinas no curto prazo.


Com isso, o mercado já assumiu um novo aumento de 75 bps na próxima reunião, em vez dos 50bps esperados anteriormente. Em outras palavras, o processo de aumento de juros continua em meio à inflação ainda galopante, PIB decrescente e risco de recessão adiante.


O cenário macro nebuloso reforça o call de alguns estrategistas de equities. Mike Wilson, do Morgan Stanley, acredita em uma revisão para baixo dos earnings das empresas do S&P500, o que ainda foi não precificado no atual valuation das empresas. Dessa forma, não há como negar que temos muitas incertezas no horizonte, com aumento do risco e da volatilidade do mercado.



🟠 China adota política anticíclica, mas os mercados permanecem receosos

A China tem adotado uma política anticíclica de redução das taxas de juros e novas medidas para aumentar gastos com infraestrutura. Por outro lado, o país enfrenta uma séria crise imobiliária, com calotes por parte dos compradores devido aos atrasos nas entregas de obras contratadas. Há receio do impacto negativo nos bancos chineses, caso as construtoras declarem falência, o que aumenta as tensões e traz mais volatilidade.



📊 De olho no Brasil

Enquanto boa parte do mundo lida com a inflação, o Brasil colhe seus frutos por ter antecipado o ciclo de aumento nas taxas de juros. O país já conta com dois meses seguidos de deflação, ainda que impactadas por cortes de impostos nos preços de energia elétrica, combustíveis e telecomunicações, que estarão vigentes até dezembro.


No que se refere à política, o cenário segue marcado pela polarização. Porém, nós da Catarina Capital, reiteramos nossa pouca preocupação quanto ao desfecho do pleito. Apesar disso, as canetadas populistas esporádicas devem ser ponderadas, uma vez que elas podem ser combustível para uma depreciação do real frente ao dólar durante a corrida eleitoral, embora as possíveis oscilações não sejam muito expressivas frente aos níveis atuais.



📰 Principais notícias do mês:


🍎 Novidades da Apple

Diversas notícias divulgadas no mês de agosto sugeriram que a big tech faria grandes lançamentos nos próximos meses. Entre eles, o iPhone 14, o Apple Watch e também possíveis atualizações e/ou novos modelos de iPads e Macs em outubro. O desempenho das vendas dos novos produtos ditará a performance da big tech nos próximos trimestres em meio às expectativas de recessão da economia global. Go deeper.



☀️ Ondas de calor atrapalham produção na China

As fábricas situadas na região de Sujuão ficaram sem energia por alguns dias por conta das intensas ondas de calor no país. Por pedido dos oficiais chineses, as empresas pausaram suas atividades para economizar energia. Entre as empresas afetadas, está a Foxconn, fabricante dos iPhones. Ainda não se sabe o tamanho do impacto dessa paralisação na produção.



💰 iFood é adquirido por gigante holandês em negócio bilionário

O grupo holandês Prosus comprou uma fatia de 33,3% do acionista minoritário Just Eat Holding Limited por US$1,8 bilhão e agora detém 100% do controle da foodtech. Com a iniciativa, o iFood se tornou startup mais valiosa do Brasil, com um valuation de US$ 5,4 bilhões. Para saber mais sobre a iniciativa e os principais indicadores do iFood, confira nossa análise completa no site! Go deeper.



🟣 Nubank traz bons números e anuncia novo presidente

O “roxinho” divulgou os resultados financeiros referentes ao 2T22 e animou os mercados. A fintech também anunciou o novo presidente do Nubank: Youssef Lahrech. David Vélez afirmou que, ao passar parte das suas atribuições para Lahrech, terá mais tempo para cuidar de iniciativas estratégicas de longo prazo. Quer saber mais? Fizemos uma curadoria com os principais indicadores e iniciativas da maior fintech da América Latina! Go deeper.



🎯 XP na mira do CADE

A empresa está sendo investigada pelo CADE por supostas práticas que poderiam impedir ou dificultar o acesso de seus concorrentes no mercado de distribuição de produtos de investimento. Em nota, a XP disse que cumpre a legislação vigente e que está à disposição para fazer os esclarecimentos necessários.



📌 Recomendações do mês


🟢 Report "ESG 2022"

Você sabia que US$1 a cada US$3 dólares investidos no mundo em 2021 foram destinados a fundos ESG? Em parceria com a Octa, marketplace circular que conecta frotas e centros de desmontagem veiculares, fizemos um report exclusivo sobre o tema!



🟢 Review "Blockchain e tokenização: a revolução tecnológica nos mercados financeiros e de capitais"

Feito em parceria com a DealMaker, fizemos um material completo sobre o tema. Tem dados sobre o impacto econômico e social do uso do blockchain, como funciona o processo de digitalização de ativos, além do overview da regulação mundial e os principais players do mercado brasileiro. Vale a pena conferir!



✉️ Se inscreva aqui para receber as próximas Cartas direto no seu email!
Disclaimer

Esta apresentação foi elaborada pela Snaq com informações disponíveis ao público. A Snaq não faz qualquer representação ou garantia quanto à exatidão, plenitude e confiabilidade das informações, estimativas ou projeções contidas nessa apresentação. Nada neste material deve ser entendido como uma promessa, recomendação ou representação do passado ou do futuro. A Snaq se exonera, expressamente, de toda e qualquer responsabilidade relacionada ou resultante da utilização deste material.


Este material foi preparado apenas para fins informativos e não deve ser interpretado como recomendação de investimento, uma oferta de compra ou venda de quaisquer valores mobiliários ou instrumentos financeiros.