Carta Mensal #6 | Não falta dinheiro para Venture Capital


Seu resumo mensal de análises, gráficos e temas que marcaram o mês de junho no ecossistema de inovação, realizado em parceria com a Catarina Capital.


O que você vai ver nesse material:

  • Dados do mês: cenário adverso penaliza startups, mas não falta dinheiro para fundos de venture capital; demissões em massa; empresas que estão remando contra a correnteza

  • Índices e ações: ajuste das empresas de tecnologia; tudo no vermelho

  • Análise by Catarina Capital: comentário do gestor sobre macroeconomia

  • Principais notícias: brasileiros negociam quase 40 mil bitcoins em junho; reguladores pegam no pé das big techs

  • Recomendação: Insights: Ecosistema de Venture Capital y Growth Equity en Latinoamérica; Reports “Retailtech & Digital Commerce 2022” e “Construtech & Proptech 2022”


📈 Dados do mês


🔴 Dias intensos para o ecossistema de startups da América Latina

Após um ano de efervescência e recordes quebrados, o mercado de startups latino-americanas lembra uma montanha-russa em 2022, com diversos altos e baixos. De acordo com o relatório da Sling Hub, as startups latino-americanas captaram apenas US$ 734 milhões no mês, distribuídos em 103 rodadas; é o pior desempenho desde fevereiro de 2021.


Outros dados sobre as startups latino-americanas no mês de junho:

  • Em termos de M&A, foram 12 aquisições, 1 fusão, 1 acquihire e 2 leveraged buyouts — é o menor número desde junho de 2021;

  • Startups brasileiras captaram US$ 415 milhões em 69 rodadas, número que superou os US$ 363 milhões realizados em maio;

  • 24 fintechs captaram juntas US$ 258 milhões — o que representa 35% do total de investimentos;

  • A fintech Kushki se tornou o primeiro unicórnio do Equador

 

🔴 Cenário adverso penaliza startups, mas não falta dinheiro para fundos de venture capital

O cenário segue desafiador para o ecossistema de startups a nível global. No meio dessa turbulência, diversas empresas “deixaram” de ser unicórnios nos últimos meses, isto é, deixaram de ter um valor de mercado superior a US$ 1 bilhão.


Por hipótese, conforme dados sistematizados por @hernandezgpablo no Twitter, se os principais unicórnios da América Latina tivessem feito IPO, eles valeriam bem menos hoje que seus pares com capital aberto, dadas as correções de mercado.



Segundo o artigo “O grande ajuste das empresas de tecnologia”, publicado por Bruno Peroni, nos últimos três anos houve uma onda de IPOs e SPACs — sociedade constituída a fim de levantar capital por meio de IPO, para adquirir uma empresas existente.


Entenda: antes, bastava investir em uma empresa privada de alto crescimento pois era (quase) certo que ela logo se tornaria pública e traria um retorno médio de 50–100% em até dois anos. Como efeito, os valuations de late stage mais do que dobraram entre 2020 e 2021, segundo o Pitchbook.


Contudo, o cenário adverso atual restringiu essas iniciativas, uma vez que o capital ficou mais caro, e se traduziu em uma queda abrupta no valuation dessas empresas.

E isso significa que não há recursos disponíveis? Não necessariamente…

Na outra ponta, verifica-se que os principais fundos de Venture Capital (VC) a nível global têm capital disponível para investir, pois grande parte deles captaram entre 2020 e 2021, conforme dados da Preqin.


Porém, os investidores estão cada vez mais criteriosos na hora que investir. Resumo da ópera: não falta dinheiro, o que muda é a expectativa de retorno.

 

🔴 Empresas de tecnologia fazem demissões em massa em meio a cenário turbulento

Conforme dados do Layoffs Brasil, movimento para ajudar profissionais de tecnologia a se recolocarem no mercado após desligamentos, mais de 2 mil pessoas foram demitidas no mês de junho e há vários unicórnios brasileiros na lista, como Loft e Mercado Bitcoin.


Segundo as empresas, entre os motivos que levaram às demissões em massa, estão o ajuste de contas e a tentativa de reduzir a queima de caixa ante o cenário atual mais restritivo em termos de capital.

 

🔥 Empresas que estão remando contra a correnteza; saiba quais são elas

Na contramão de uma tendência de grandes empresas que anunciaram demissões em massa, algumas startups seguiram com planos de expansão e novas contratações no mês passado, segundo o site NeoFeed.


Entre elas, estão:

  • Shopper: atua no setor "supermercadista" provendo a automatização do processo de compras de bens de consumo essenciais para seus clientes;

  • Omie: oferece softwares de gestão, serviços financeiros e educação empreendedora para empresas de todos os portes e segmentos;

  • Cobli: plataforma de inteligência em gestão de frotas;

  • Insider: startup de marketing especializada na criação de ferramentas de vendas baseadas em inteligência artificial.

Um dos motivos para essas empresas terem se destacado no período foi a captação de grandes volumes de recursos em 2021 e, a capacidade de gerenciá-los em meio à turbulência no mercado.

 

💰 Brasil e México concentram 80% dos investimentos feitos na América Latina em 2021; empresas mexicanas estão na mira dos investidores

O estudo publicado em junho pela Endeavor México e Glisco Partners analisou cerca de 2 mil startups da América Latina e destacou que os investimentos na região bateram recorde de US$ 15 bilhões em 2021, e as empresas mais beneficiadas foram as fintechs.


Grande parte desses investimentos tiveram como destino Brasil e México. Juntos, os dois países concentraram cerca de 80% dos investimentos feitos na região no último ano.


Enrico Robles, diretor financeiro e de inteligência da Endeavor México, disse em entrevista para a Forbes que o país se tornou o primeiro destino da expansão internacional dos empresários latino-americanos, uma vez que concentra o segundo maior mercado da região — atrás apenas do Brasil — e boa localização geográfica, próximo dos Estados Unidos.




📈 Índices e ações


🔴 Ajuste das empresas de tecnologia; tudo no vermelho

Com o aumento repentino nos juros nos últimos meses e a persistência do conflito no leste europeu, houve uma redução das expectativas de crescimento e lucro das empresas. Em paralelo, o temor de recessão se traduz em maior volatilidade nos mercados.


E as empresas de tecnologia são os setores mais penalizado nesse contexto. Segundo Eduardo Vasconcellos, as empresas de tecnologia são mais sensíveis ao movimento nas taxas de juros, pois têm fluxos de caixa positivos apenas no futuro. Ou seja, o custo de investir nessas empresas, dada a expectativa de que ela (talvez) entregue resultados só daqui a vários anos, fica mais alto. As ações são precificadas com base em expectativas.

  • O S&P 500 registrou o pior primeiro semestre desde 1970.

  • No Brasil, as empresas tech seguem no mesmo caminho, inclusive as companhias mais sólidas - Locaweb, GetNinjas e TOTVS.


 

❄️ Inverno cripto chegou! E agora?

As criptomoedas registraram diversas quedas de preços ao longo de sua breve história. Porém, o atual momento de baixa, conhecido como "inverno cripto", de um dos mercados que mais cresceu nos últimos anos, configura um impacto cada vez mais significativo no mundo dos investimentos.

Enquanto isso, empresas ligadas ao universo cripto têm apostado em novas iniciativas para se descorrelacionarem da variação dos preços do Bitcoin (BTC) diante desse contexto desafiador, e desenham uma evolução tecnológica no mercado.


Quer saber mais sobre o assunto? Confira o artigo sobre o inverno cripto na bolsa de valores feito pela Catarina Capital!




🔎Análise by Catarina Capital


📊 Cenário Macro Global

China na contramão do mundo

O Banco Central da China anunciou um ajuste em sua política monetária com o objetivo de reaquecer a economia do país. O anúncio veio junto com a flexibilização dos lockdowns, que ajudou a destravar negócios, mas teve pouco impacto nos custos de fretes globais no curto prazo. Entretanto, o presidente Xi Jinping afirmou que a intenção não é abandonar a rígida estratégia de combate à pandemia, o que fez os economistas manter as suas previsões para o PIB chinês.


Rússia dá default de US$100 milhões

As tensões geopolíticas continuam elevadas no continente europeu. O G7 se reuniu e anunciou novas sanções contra a Rússia. Os Estados Unidos anunciaram uma nova rodada de ajuda militar à Ucrânia e a maior expansão militar na Europa desde a Guerra Fria.


Outro fato marcante foi o calote que a Rússia deu em seus títulos soberanos estrangeiros pela primeira vez em mais de um século. Porém, o default não deve afetar a capacidade do país em se financiar devido aos ganhos com as exportações de petróleo e gás.


Economia americana

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos teve uma queda de 1,6% no primeiro trimestre; é a primeira queda desde o segundo trimestre de 2020. Enquanto isso, a inflação segue elevada: ficou em 8,6% nos últimos 12 meses. É o maior valor desde dezembro de 1981.


Diante deste cenário, o Federal Reserve aumentou a taxa de juros em 0,75% — maior aumento desde 1994 —, totalizando uma faixa de juros em 1,5% a 1,75%. Jerome Powell, presidente do Fed, disse que o principal foco é o combate à inflação e admitiu que foi um erro acreditar que seria transitória.








Olhando para o Brasil

Inflação e taxa de desemprego

A inflação continua sendo um dos maiores desafios para o atual governo. Porém, acredita-se que o pior ficou para trás. O IPCA desacelerou e encerrou o mês com 11,73% no acumulado de 12 meses. Já o IGP-M fechou em 10,7% nos últimos 12 meses. Isso é reflexo sobretudo da redução dos preços ao produtor, que representa 60% do indicador.


Enquanto isso, a taxa de desemprego no mês de maio caiu para 9,8%. É a menor taxa trimestral desde 2016 e a menor para o período desde 2015. O resultado foi melhor do que o esperado pelo mercado.


Governo aprova PEC dos Combustíveis

Em meio à alta do petróleo e de seus derivados, essa Proposta de Emenda à Constituição (PEC) cria um auxílio para caminhoneiros autônomos e taxistas, além de ampliar o Auxílio Brasil para ao menos R$ 600 mensais e um "vale-gás" de R$120 a cada dois meses. As medidas serão válidas até 31 de dezembro e preveem um gasto de R$ 41,2 bilhões - que ficarão de fora do Teto de Gastos e da meta de resultados fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022.


Selic sobe pela 11ª vez consecutiva

O Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou a taxa Selic para 13,25%. Desde o primeiro aumento, em março de 2021, quando a taxa era de 2%, a Selic já subiu 11,25 pontos percentuais. É o maior choque de juros desde 1999.




📰 Principais notícias do mês:


⚖️ Reguladores pegam no pé das big techs

Houve avanços significativos nas investidas de reguladores europeus, americanos e asiáticos contra as grandes empresas de tecnologia. As mudanças sugeridas por legisladores e autoridades regulatórias se concentraram nos tópicos de antitruste, privacidade e utilização de dados.

Entre os casos mais notáveis, estão:

  • Google fecha acordo com desenvolvedores para encerrar o caso aberto contra a empresa devido às práticas adotadas em sua plataforma de pagamento da Play Store. Antes, as taxas cobradas pela empresa eram absurdamente altas (cerca de 30%), segundo os desenvolvedores. Com o acordo, estabeleceu-se a redução dessas taxas para empresas que possuam até US$ 1 milhão de dólares em receita anual e será válida por três anos.

  • Em um movimento similar, os desenvolvedores sul-coreanos conseguiram na justiça o direito de usar plataformas de pagamento de terceiros para processar compras nos dispositivos da Apple.

  • Google anuncia que rivais do setor de anúncios poderão atuar em sua plataforma de vídeos, o Youtube. A inciativa visa apaziguar as investigações sobre a divisão de venda e manutenção de anúncios.

  • Apple e Google seguem pressionadas pela Federal Trade Commission (FTC) devido às suas práticas de coleta e venda de dados para terceiros. Segundo os legisladores americanos, as empresas possuem práticas de identificação de usuários e de coleta dados sem que seja percebida pelos usuários. A FTC deseja que investigações sejam abertas para averiguar e regular estas práticas.


💰 Vale lança fundo de venture capital de US$ 100 milhões para investir no ecossistema de startups sustentáveis

A mineradora tem a pretensão de adquirir participações pequenas de empresas sustentáveis voltadas para a transição energética e mineração. Estão na mira tópicos como descarbonização, mineração com zero resíduos, metais de transição energética e futuro da mineração. A Vale visa a um portfólio diverso em seu fundo, mas deve ter apenas entre 10 e 20 empresas investidas. O primeiro investimento foi a Boston Metal, que recebeu um aporte de US$ 6 milhões de dólares e trabalha com tecnologia de produção de aço sem emissão de CO2. Go deeper.


🟣 Nubank pretende aproveitar o momento global para negociar fusões e aquisições

Apesar da baixa das ações, para o Nubank agora é a hora de fazer aquisições. David Velez, CEO da companhia, disse em entrevista que “algumas conversas de fusões e aquisições que teve 12 meses atrás estão voltando com um desconto de 70%”. Segundo o mesmo, as fintechs de menor porte estão abertas à negociação graças à dificuldade de se manter de pé e, para ele, há um excesso de startups da categoria na América Latina. “O momento permitirá a sobrevivência dos mais aptos”, completou o executivo.


Seguindo a linha de continuar inovando e agregando valor ao negócio, o roxinho lançou um cartão de débito para jovens entre 12 e 17 anos. A novidade começará a ser liberada gradualmente e será necessário que os pais solicitem a criação da conta, não havendo acesso a cartão de crédito, empréstimo e investimento aos adolescentes. Go deeper



🚨 Brasileiros negociam quase 40 mil Bitcoins em junho

O mês não foi bom para os criptoativos, mas os brasileiros movimentaram cerca de 40 mil Bitcoins (BTC) no período, o que equivale a cerca de R$ 4,8 bilhões. Esse número representa alta de 18% em comparação ao mês de maio, conforme o relatório Cointrader Monitor (CTM), que reúne dados das exchanges que operam no Brasil. Go deeper.




📌Recomendação de report do mês


🟢 Insights: Ecosistema de Venture Capital y Growth Equity en Latinoamérica

No estudo feito por Endeavor e Glisco Partners, vemos de que forma os avanços tecnológicos e a crescente digitalização na América Latina reduziram as restrições geográficas e políticas para a realização de negócios na região nos últimos anos. Veja!


🟢 Report: Retailtech & Digital Commerce 2022

O varejo é uma potência econômica e todos nós já sabemos, mas você sabe o quanto as Retailtechs movimentaram em 2021? Confira nosso material exclusivo sobre Retailtech e Digital Commerce, com dados de investimentos e tendências para o setor. Spoiler: o primeiro trimestre de 2022 começou quente. Confira!


🟢 Report: Construtech & Proptech

Você sabe o que são proptechs e construtechs? Confira nosso material exclusivo, desenvolvido com a ABC Empreendimentos e a Beaver, sobre as startups que estão transformando o setor de construção civil e mercado imobiliário e quais são os impactos da introdução de novas tecnologias e inovações. Acesse!



✉️ Se inscreva aqui para receber as próximas Cartas direto no seu email!
Disclaimer

Esta apresentação foi elaborada pela Snaq com informações disponíveis ao público. A Snaq não faz qualquer representação ou garantia quanto à exatidão, plenitude e confiabilidade das informações, estimativas ou projeções contidas nessa apresentação. Nada neste material deve ser entendido como uma promessa, recomendação ou representação do passado ou do futuro. A Snaq se exonera, expressamente, de toda e qualquer responsabilidade relacionada ou resultante da utilização deste material.


Este material foi preparado apenas para fins informativos e não deve ser interpretado como recomendação de investimento, uma oferta de compra ou venda de quaisquer valores mobiliários ou instrumentos financeiros.