top of page

Dinheiro do Futuro | Blockchain: Uma nova era de transformação nos negócios



De tempos em tempos, o mundo é impactado por inovações que revolucionam a maneira de fazer negócios e entregar valor para a sociedade.


A tecnologia de streaming aliada a um modelo de negócio inovador fez a Netflix desbancar a gigante Blockbuster e dominou o mercado do entretenimento. Em 2007, Steve Jobs lançou o iPhone e não só revolucionou o mercado com um novo hardware, mas também introduziu um novo conceito de fornecimento de serviços e geração de receitas via App Store. Com isso, tornou-se líder do mercado antes dominado por produtos da BlackBerry e outras empresas. [1]


Nos dias atuais, a tecnologia blockchain tem demonstrado um grande potencial revolucionar a economia, impactando a maneira como realizamos transações financeiras, estabelecemos relações comerciais, dentre outras aplicações. [2]



Blockchain: da origem do Bitcoin à Tokenização de Ativos


Em 2008, o whitepaper de Satoshi Nakamoto trouxe à tona o conceito da blockchain. O termo remete ao encadeamento entre blocos de dados criptografados, que associado aos chamados algoritmos de consenso (mecanismos usados para a criação de novos blocos de forma descentralizada) garante a imutabilidade dos dados registrados neste tipo de rede.


Por ser uma rede distribuída de dados que registra informações em blocos interconectados, a necessidade de um intermediário confiável é eliminada. Isso traz mais segurança, transparência e confiabilidade, e também garante a privacidade e a rastreabilidade das operações.


Junto ao conceito de blockchain, Nakamoto introduziu ao mercado a primeira criptomoeda (e dominante até os dias atuais): o Bitcoin. Mais do que um ativo digital, o Bitcoin abriu as portas para diversas outras criptomoedas (altcoins), possibilitando o amadurecimento das tecnologias e da própria lógica de uso das plataformas descentralizadas.


Em 2014, Vitalik Buterin fundou a plataforma Ethereum. Esse evento é um grande marco na história da tecnologia blockchain, pois essa plataforma executa os contratos inteligentes (smart contracts). O termo se refere a um conjunto de regras auto executáveis, com base no atendimento de condições previamente acordadas pelas partes envolvidas, que expandiu os horizontes de aplicação de soluções descentralizadas.


Essas tecnologias viabilizaram o desenvolvimento diversas aplicações, inclusive a tokenização de ativos. O termo se refere ao processo de representar ativos no formato digital (tokens), para que eles possam ser comercializados. Isso merece destaque, pois abre um leque de aplicações seguras e escaláveis para toda a economia.



O Impacto do Blockchain no Mundo Atual


Assim como o Pix e Open Finance, a tokenização de ativos por meio do uso da blockchain veio para ficar e abre um mar de possibilidades para diversos setores da economia.


No setor imobiliário, já existem iniciativas que permitem aos consumidores comprar ou alugar tokens de imóveis via plataforma conectada a uma rede blockchain. Além disso, pode oferecer crédito com garantia imobiliária, com todas as operações alinhadas com as devidas regulamentações. Assim, além de proporcionar mais segurança nas transações e informações, a blockchain pode democratizar o acesso a bens e investimentos de maior valor agregado.


A tecnologia blockchain também impactou o setor agropecuário, possibilitando que empresas rurais tokenizem as remessas de grãos (milho e soja, por exemplo) e usem sua produção para obter crédito ou realizar operações de compra e venda por outros produtos (barter). Outras aplicações incluem a garantia de qualidade de remessas tokenizadas de produtos agrícolas, a antecipação de recebíveis com base na tokenização de safras, e até mesmo o uso de tokens agrícolas para pagamentos cotidianos.


No setor financeiro, a blockchain pode ser utilizada para criar uma rede de pagamentos mais rápida e segura, enquanto a IA analisa as transações financeiras e detecta possíveis fraudes, o que aumenta a segurança do sistema, por exemplo.


O Brasil é referência a nível global na aplicação das tecnologias emergentes mencionadas. Entidades como o Banco Central (Bacen), a Fenasbac e a CVM estão liderando a pauta, promovendo laboratórios (Lift Lab) e desafios (Lift Challenge) que viabilizam aos diversos players do mercado testar e acelerar projetos de digitalização do dinheiro, além de dar início à construção de um arcabouço legislativo e regulamentar através de instrumentos como a sanção do Marco das Criptomoedas nº 14.478, a publicação da CVM 175 e CVM 40, e a resolução BCB nº 315 (Piloto do Real Digital).


Em suma, a adoção da blockchain e tecnologias correlatas está em rápido amadurecimento e promete gerar ainda mais impacto do que vimos até o momento. Assim como a Blockbuster e a Blackberry subestimaram os sinais da revolução em seus segmentos, as empresas que não avaliarem a adoção e o impacto destas tecnologias em seus negócios correm o risco de serem superadas por seus concorrentes e novos entrantes.


João Gianvecchio

Gerente de Inovação do banco BV


 

➡️ Quer saber mais sobre as tecnologias emergentes e formas de dinheiro digital? Acesse aqui nosso report Dinheiro do Futuro 2023, feito em parceria com o banco BV.


Commentaires


news.png
Receba a principal curadoria do ecossistema de inovação

Newsletter semanal e carta de análise mensal, no seu e-mail, com tudo o que você precisa saber!

bottom of page